top of page
Tzimisce_background.jpg

Figuras
Tzimisce

LogoClanTzimisce_edited.png
Tzimisce_background.jpg

Os Nazi

Durante os anos seguintes à Segunda Guerra Mundial, alguns membros do clã Tzimisce, encontraram refúgio no sul do Brasil. Uma fuga prevista pelas premonições, que logo seria reconhecida não como um ato de desespero, mas como um ato de sobrevivência após a Semana dos Pesadelos e a guerra da Gehenna.

Nesta época, rumores e teorias conspiratórias sobre a chegada de nazistas fugitivos ao Brasil estavam circulando. Uma forma de encobrir a estranheza que permeava o clã e que, aproveitando-se desses mitos, usaram suas habilidades para se infiltrar nas comunidades humanas e manipular eventos de maneiras sutis, permanecendo escondidos pelo medo.

Infelizmente para o clã, a Camarilla já estava presente por aqui, atestando-os como inimigos Sabbat, de forma que nunca tiveram chance de florescer nesta cidade repleta de carne fresca. Foram escanteados, escondidos e subjugados, forçados a viverem escondidos para além da zona sul, enquanto criavam seu domínio cercados em tradições que apenas outro Tzimisce poderia compreender.

Quando sua influência não poderia mais ser questionada, a Camarilla, em 1954, acordou que não se intrometeria nos assuntos particulares deste clã impar na história. Não os veriam como inimigos, muito menos como aliados, caso deixassem a cidade de lado e cultivassem sua história em seu mísero domínio, prendendo-os em um tempo sem grandes evoluções. Afinal, nada melhor do que um vampiro que não entende de tecnologia em um mundo que clama por comunicação.

Tzimisce - Weza Belmontes.jpg

 Weza Belmontes

???????????????????????????

A Vila Oculta

Nem tudo é o que aparenta ser, e diversas coisas aparentam não ser. Os Tzimisce não são vistos na cidade há séculos, mas isso não significa que eles não estão por aqui, escondidos, cobertos por um pacto antigo que os torna imunes ao desesperos do presente. Idealizada e criada por volta de 1700 por uma Tzimisce portuguesa de nome Maria Isabel Josefa Antónia Gertrudes Avis, a vila é um combinado, uma cicatriz no tempo de um acordo em que uma jovem Camarilla foi obrigada a forjar.

Buscando fixar seu domínio e fugir das brigas que os homens de seu clã cismavam em travar, Maria Isabel fincou suas garras em terras brasileiras e fez o que seus senhores a ensinaram, domou os mais fracos para que servissem ao seu propósito. Mas não pense que Maria Isabel os escravizou, não, ela fez muito pior. Como se fosse enviada por Deus, Maria Isabel visitou um pequeno assentamento e se apresentou como o anjo salvador. Ela os libertou da mente que os aprisionava, os libertou da carne que os aprisionava e assim, deu segmento a criação de sua obra prima, criaturas tão horrendas quanto as de nossos pesadelos.

 

 

 

 

 

Maria Isabel os aprisionou para que trabalhassem para ela. Plantou árvores, ergueu prédios e fundou o que seria a sua casa para toda a eternidade. Ela era esperta, vampiros velhos lhe deviam favores e antes que a ideia da Gehenna fosse cogitada, Maria Isabel convocou seus amigos com domínio da Temporis e de uma hora para outra, a vila desapareceu permanecendo escondida dos olhos curiosos enquanto prosperava entre a floresta. Os humanos que lá estavam para sempre acharão viver em 1700. Nenhum desconfia que um mundo tecnológico existe além da floresta, nenhum desconfia, porque nenhum tem coragem. 

Por entre a mata, as criaturas de Maria Isabel fazem sua ronda e protegem que turistas entrem e moradores saem. Eles são seus filhos, e fariam tudo para sua mãe. Por vezes moradores morrem, nem todos são seus ghouls, mas ninguém nota sua ausência, pois a vila prospera com a vida eterna e sempre que um some, ele é recolocado, já que nenhum humano resiste a dominação de seus associados.

Porém, nem mesmo a vida eterna é eterna e Maria Isabel finalmente entende que o mundo evoluiu. Com a concretização da Gehenna e a diluição do Sangue, o poder dos velhos se tornou fraco. A vila foi exposta e nem mesmo a Camarilla se lembra de acordos antigos, de quanto o papel era caro e sua palavra era sua força de execução. Uma vila perdida no meio da Zona Sul. Uma vila nunca antes vista. Uma vila temática dos anos 1700. Uma vila com humanos que nunca viram tecnologia. Uma vila que não poderia ser descoberta. Nem mesmo a melhor das dominações poderia segurar os humanos que lá habitam. Nem mesmo a melhor dominação poderia impedir que curiosos entrassem e se deparassem com os milagres de Maria Isabel. Nem mesmo a melhor das equipes táticas poderia impedir que as criaturas de Maria Isabel executassem aqueles que transpassassem a floresta.

Maria Isabel poderia continuar o seu reinado, mas ninguém sabe onde ela está.

_3f0c3189-9800-4f4b-98cc-ede63f6a4911.jpg
_ddcc9c2a-472f-4fdd-8fed-7fb9a2622aa7.jpg
_fa8f5767-e039-40ec-a33c-8ffa3dadd329.jpg
Vila-Tzimisce.jpg
bottom of page